DBM aponta que 45% dos executivos não querem continuar nas empresas em que estão nos próximos 3 anos.

Pesquisa realizada pela DBM no Brasil no final de 2010 mostra que a intenção de saída de executivos das empresas em que trabalham é alta com 45% deles não querendo continuar nos próximos 3 anos. Quanto mais jovem o executivo maior é a intenção de saída. Será isso sugere que viveremos em uma ambiente de alto turn-over de executivos no futuro?
Veja nos links abaixo os resultados:

Paper sobre os resultados - http://www.dbm.com/br/pt/doc/Umnovocontexto.pdf
Resultados da pesquisa - http://www.dbm.com/br/pt/doc/PesquisaEngajamento.pdf


Recordando a teoria de Maslow:" as necessidades fisiológicas constituem a sobrevivência do indivíduo e a preservação da espécie: alimentação, sono, repouso, abrigo, etc. As necessidades de segurança constituem a busca de proteção contra a ameaça ou privação, a fuga e o perigo. As necessidades sociais incluem a necessidade de associação, de participação, de aceitação por parte dos companheiros, de troca de amizade, de afeto e amor. A necessidade de estima envolvem a auto apreciação, a autoconfiança, a necessidade de aprovação social e de respeito, de status, prestígio e consideração, além de desejo de força e de adequação, de confiança perante o mundo, independência e autonomia. As necessidades de auto realização são as mais elevadas, de cada pessoa realizar o seu próprio potencial e de auto desenvolver-se continuamente."
A teoria de Maslow é conhecida como uma das mais importantes teorias de motivação. Para ele, as necessidades dos seres humanos obedecem a uma hierarquia, ou seja, uma escala de valores a serem transpostos. Isto significa que no momento em que o indivíduo realiza uma necessidade, surge outra em seu lugar, exigindo sempre que as pessoas busquem meios para satisfazê-la.
Hoje vejo executivos trocarem as necessidades de segurança por necessidade de auto realização. A pesquisa reflete o desejo.
O tempo vai dizer se as empresas por eles gerenciadas terão seus ciclos reduzidos.
As empresas devem estar preparadas para gerenciar as alternância, para não ser pega de surpresa. Lidar melhor com a auto realização dos seus executivos, motivando e desafiando continuamente o seu potencial e conhecimento. Acredito que assim o seu tempo de permanência deve prolongar. O acionistas devem entender que as empresas são organismos vivos que nem sempre respondem de acordo com seus desejos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os problemas da pesquisa por quota

Tempestade Perfeita

NUNCA ABRA MÃO DOS SEUS VALORES PESSOAIS