O hino e seu povo


A cantora Vanusa, ícone da jovem guarda, passou a maior vergonha da sua carreira de mais de quarenta anos, ao se apresentar, no Encontro Estadual de Agentes Públicos, na Assembléia Legislativa de São Paulo. Era para ela interpretar o hino nacional, e acabou inventando um novo.
O massacre público começou na internet e contaminou todos os veículos de comunicação. Esqueceram dos atos secretos do senado e da gripe “suína”. Por onde andava o comentário era somente: Gigante pela própria natureza, És belo, és forte, ÉS… RISONHO… E LÍMPIDO! SE EM TEU FORMOSO… RISONHO E LÍMPIDO…A IMAGEM DO CRUZEIRO…!

O brasileiro devido ao seu repudio ao golpe de 1964 perdeu o senso de civismo e patriotismo mal conhecendo o seu próprio hino. A geração da ditadura privou a nova geração a entoar letra de Joaquim Osório Duque Estrada e música de Francisco Manuel da Silva.
Na minha infância em todas as datas solenes no colégio “Julio Pereira Lopez” a dona Wilma me colocava, junto com meus irmãos, para hastear a nossa bandeira nacional. Para nós era uma honra apesar do período de ditadura. Tínhamos na nossa história fatos marcantes como o movimento constitucionalista de 1932, onde São Paulo ousou enfrentar Getúlio cobrando uma promessa, a Carta Constituinte.
Na letra do nosso hino tem um trecho que sempre me incomodou: “Deitado eternamente em berço esplêndido”. O Brasil sempre foi considerado o país do futuro, mas permanecia deitado, inerte às oportunidades apesar das suas riquezas.
O gigante acordou embalado pelos anos dourados da economia mundial de 2003 a 2008. Acumulamos reservas, reduzimos nosso endividamento, a inflação permaneceu controlada, os juros caíram, o nosso crédito doméstico aumentou significativamente, a distribuição de renda melhorou e o governo aprendeu a arrecadar com voracidade.
O Brasil passou a ser o país do presente com fundamentos estáveis e principalmente com uma previsibilidade de longo prazo. Passamos a enxergar 15 anos à frente.
 A nossa economia crescerá forte em torno de 5,0% em média nos próximos 10 anos. A inflação terá momentos de pressão que deverão ser controlados com oscilação de taxa de juros de 0,5% a 1%, coisa de economia controlada.
Quando o pré sal começar a mostrar resultados, provavelmente em 2015 com a “PeteBras”, afinal o petróleo é nosso,  teremos uma nova alavancagem de infraestrutura que possibilitará um novo impulso de ritmo mais intenso.
O nosso limite de crescimento está na precariedade da infraestrutura disponível e principalmente a falta de poupança interna para financiar a expansão. A situação nos remete a necessidade de captação externa.
A economia mundial agradece à situação e percebe uma excelente oportunidade de financiar os bons projetos brasileiros.
Acredito que precisamos imediatamente avançar nas reformas, o senado em 2009 não votou nada somente ficou ruminando os seus devaneios clientelistas e coronelistas fruto de uma liderança arcaica e corrompida e pelo individualismo sem princípios morais e éticos. Espelho da nossa sociedade que ainda permanece com as manchas morais da nossa colonização.
O brasileiro era visto como aquele que queria só tirar vantagem, Certo! Agora queremos ser visto como aqueles que criam oportunidades. O Congresso precisa acompanhar as mudanças.
No próximo ano teremos eleições além da copa do mundo. O senado poderá ser renovado em 2/3. A Câmara de deputados federais e estaduais em 100%. Fora os governos estaduais e presidência da república. Vamos entregar essa “Ferrari Vermelha” novinha para aqueles que sabem dirigir.
Pense Nisso! Vamos entoar nosso hino.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os problemas da pesquisa por quota

Tempestade Perfeita

NUNCA ABRA MÃO DOS SEUS VALORES PESSOAIS